Buscar
  • IEV

A trajetória do Instituto de Estudos Valeparaibanos

Atualizado: 6 de Fev de 2019


Com sede na cidade de Lorena (SP), o Instituto de Estudos Valeparaibanos (IEV) é uma associação sem fins econômicos, de caráter cultural, com atuação voltada ao desenvolvimento harmônico do Vale do Paraíba e à preservação de seu patrimônio histórico e ambiental. Embora tenha sido fundado em 1973, por um grupo sob a liderança do professor universitário José Luiz Pasin, o IEV começou a ser idealizado um ano antes, durante o I Simpósio de História do Vale do Paraíba.



Lançamento do Manifesto


Na época, pouco se discutia sobre patrimônio histórico e cultural, e poucos eram os pesquisadores que se dedicavam ao Vale do Paraíba. Contudo, havia uma consciência dos problemas que a região enfrentava – e que incluíam o empobrecimento da população e o descaso pela cultura –, e as universidades começaram a despertar para o fato de que era necessário – e urgente – buscar uma atuação mais crítica e participativa na sociedade, visando aplicar suas pesquisas e estudos em prol do desenvolvimento sustentável, do bem-estar social e da preservação histórica e cultural.


O I Simpósio de História do Vale do Paraíba, promovido em 1972 pela Faculdade Salesiana de Filosofia, Ciências e Letras de Lorena, foi a resposta a essa urgência, e seus resultados positivos inspiraram a criação de uma organização que pudesse dar continuidade a esse trabalho. Nascia, assim, o Instituto de Estudos Valeparaibanos, com uma diretoria formada por três professores e quatro alunos e ex-alunos da Faculdade Salesiana de Lorena. Pelas décadas seguintes, o IEV não somente cumpriria sua missão de manter o Seminário de História, mas também possibilitaria diversas outras ações em prol da conservação da cultura e da história do Vale do Paraíba.



I Simpósio de História do Vale do Paraíba


Como instituição sem fins econômicos, o IEV funciona em espaços cedidos, e os projetos e atividades desenvolvidos são fruto do trabalho voluntário de seus membros. Os recursos financeiros obtidos para seu funcionamento vêm da contribuição de seus sócios e de eventuais verbas oficiais, doações, subvenções e legados. Iniciativas maiores, contudo, que demandam grandes investimentos, como os Simpósios de História, são autossustentáveis, contando sempre com a infraestrutura e o suporte de parceiros.


Em seus primeiros anos, o IEV utilizou como sede as dependências do Centro Social Urbano de Guaratinguetá e realizou atividades e reuniões também na Fazenda Boa Vista, propriedade de José Luiz Pasin, em Roseira Velha. No início do século XXI, sob a administração de Nelson Pesciotta, a sede passou a funcionar em um espaço cedido pela Casa de Cultura de Lorena; pouco depois, ainda em 2001, a sede passou para um local cedido pelo Centro Universitário Salesiano, que passou a abrigar ainda a biblioteca e o arquivo do IEV, a sala Euclides da Cunha e o Centro de Pesquisa Regional.



Instalação do IEV, 1973, no Museu Frei Galvão, Guaratinguetá, Conceição Borges Ribeiro, Chico Barbosa, José Luiz Pasin, Thereza Maia


Em 2012, o IEV ganhou uma nova sala cedida pela UNITAU, que leva o nome do Prof. Nelson Pesciotta, em homenagem a suas realizações à frente da diretoria do Instituto. Nesse espaço, são realizadas reuniões e mantidos materiais, documentações e bens da instituição.


Também em 2012 foi desenvolvido o site do IEV, atendendo às demandas da evolução dos meios de informação e comunicação. O espaço on-line centraliza informações sobre o Instituto e atualiza usuários, pesquisadores e membros da instituição quanto a suas atividades.


Justamente essa evolução da tecnologia e dos meios de comunicação e a globalização crescente exigiram que o IEV se atualizasse, adotando novos processos de interação e participação na sociedade, sem, contudo, abandonar sua grande bandeira de luta: a preservação do patrimônio cultural, histórico e ambiental do Vale do Paraíba. Seu estatuto sofreu pequenas adaptações ao longo dos anos (em 1978, 1985, 2000 e 2005), mas suas finalidades principais mantiveram-se inalteradas: estudar em seus múltiplos aspectos a realidade vale-paraibana, reunir pesquisadores, escritores e estudiosos da região e valorizar o passado e o presente do Vale do Paraíba, por meio do conhecimento da sua história, da sua cultura e das perspectivas para o desenvolvimento regional.


Atuação do IEV


Com o objetivo de estudar a realidade vale-paraibana e incentivar a produção e a pesquisa sobre o Vale do Paraíba, o IEV atua em diferentes frentes, promovendo conferências, palestras, seminários, cursos regulares, lançamento de livros de autores residentes no Vale do Paraíba, promoções culturais, exposições e concursos, voltados principalmente para estudantes do ensino médio.


O Simpósio de História do Vale do Paraíba, já mencionado, é um dos mais tradicionais eventos promovidos e organizados pelo IEV e já passou por diversas cidades, contando com dezenas de edições. Desde sua primeira edição, em 1972, o Simpósio de História contribuiu de forma incalculável para a preservação do patrimônio cultural e ambiental do Vale do Paraíba, discutindo temas polêmicos, lançando importantes obras, abrindo espaço para novos intelectuais e possibilitando que muitas pessoas se encantassem com a história da região.



A Secretaria de Defesa do Patrimônio Cultural, com um trabalho direcionado à preservação do patrimônio cultural e histórico do Vale do Paraíba, foi criada em 1978, bem como e a Secretaria de Defesa do Meio Ambiente, que centraliza iniciativas e trabalhos voltados a causas ambientais. A atuação do IEV nessas duas áreas foi de extrema relevância, em especial no fim do século XX. No final da década de 1970, por exemplo, os trabalhos do Instituto deram origem à Carta de Defesa do Patrimônio Cultural do Vale do Paraíba e Paraty, que apontava importantes diretrizes para o cuidado e a preservação de bens culturais.


Em 1981, o IEV promoveu o Ano de Defesa do Patrimônio Ambiental do Vale do Paraíba, com assembleias que culminaram na Carta de Defesa do Patrimônio Ambiental do Vale do Paraíba. As diretrizes apresentadas na Carta foram, depois de sua ampla divulgação, seguidas e tornaram-se realidade, o que resultou na melhoria das condições ambientais da região. O Instituto promoveu, ainda, entre outras ações e projetos, o encontro Salvem o Rio Paraíba e, em 1991, participou da Frente Verde do Vale do Paraíba.


A luta do IEV pela preservação do patrimônio cultural e ambiental ganhou novo fôlego em 2007, com a fundação do Núcleo de Estudos Patrimoniais e Ambientais (NEPA), projeto que formou centenas de professores da rede pública de ensino para disseminar a importância da preocupação com os aspectos históricos, culturais e ambientais do Vale.



NEPA – participantes com coordenadores Nelson e Sonia

Desde 1986, o IEV promove também premiações culturais, com o objetivo de reconhecer ideias, atitudes e trabalhos artísticos, culturais e científicos que promovam a melhoria das condições de vida e o desenvolvimento sustentável no Vale do Paraíba. O primeiro prêmio criado pelo Instituto foi o Eugênia Sereno, voltado a reconhecer autores vale-paraibanos por suas publicações. Em seguida vieram outros prêmios: Medalha de Mérito Paulo Pereira dos Reis, que premia moradores do Vale do Paraíba por seu desempenho profissional; Distinção Paulo Camilher Florençano, destinada a destacar esforços pessoais ou institucionais em favor da memória regional; Distinção Ambiental José Luiz Pasin, que reconhece esforços desenvolvidos em favor da melhoria do meio ambiente; Prêmio IEV de Mídia Cultural; Prêmio Fotografia e Memória do Vale do Paraíba; Prêmio Cultural José Armando Zollner; e Prêmio de Jornalismo Nelson Pesciotta.


O IEV mantém, ainda, um acervo bibliográfico e um Centro de Documentação sobre o Vale do Paraíba, que alimentam pesquisas e trabalhos de diferentes tipos e ao qual recorrem estudiosos de diversas áreas do conhecimento.



Presidentes do IEV

Desde sua fundação, o IEV tem realizado um importante trabalho no Vale do Paraíba, sob a liderança de pessoas verdadeiramente apaixonadas pela identidade histórica e cultural da região. O Instituto contou com seis presidentes, que, ao longo de seus mandatos, contribuíram de modo único e irrepetível para sua consolidação como uma instituição de respeito e de liderança na área cultural em nível regional.



Sodero e Pasin em 1990



Relação de presidentes e período dos mandatos

1973-1978: José Luiz Pasin 1978-1980: Paulo Pereira dos Reis 1980-1982: José Luiz Pasin 1982-1984: Francisco Sodero Toledo 1984-1988: Nelson Pesciotta 1988-1990: Francisco Fortes 1990-2011: Nelson Pesciotta 2011-2013: Francisco Sodero Toledo

2014- 2018: Humberto Felipe da Silva

2019: Diego Amaro de Almeida


59 visualizações
Com sede na cidade de Lorena (SP), o Instituto de Estudos Valeparaibanos (IEV) é uma associação sem fins econômicos, de caráter cultural, com atuação voltada ao desenvolvimento harmônico do Vale do Paraíba e à preservação de seu patrimônio histórico, cultural e ambiental. Fundado em 1973, o IEV atua em diferentes frentes, promovendo cursos, palestras, conferências, seminários, simpósios, debates e premiações, entre outros projetos, com o objetivo de estudar a realidade vale-paraibana e incentivar a produção e a pesquisa sobre o Vale do Paraíba.

Sede: UNISAL – Lorena | Rua Dom Bosco, 284, Centro Lorena | CEP: 12.600-100

Tel: (12) 3159-2033

E-mail: iev.comunica@gmail.com